domingo, 15 de março de 2015

Minta que me ama by Maria Duffy - Resenha

Olá, bom dia!!!! Faz um tempinho que não apareço por aqui... mas, vida de mãe, dona de casa, artesã é assim mesmo, correria e ocupações o tempo todo.
Mesmo assim, tenho feito boas leituras, algumas não me animei a fazer resenha mas marquei como lidos no meu skoob, se quiserem checar (https://www.skoob.com.br/usuario/1370973)
Dentre as leituras, a última foi o livro Minta que me Ama, da Maria Duffy e deste, sim, resolvi falar e registrar minhas impressões... vamos lá?

Minta que me ama
Maria Duffy
Editora Nova Conceito
380 páginas


Maria Duffy não era muito boa em gramática quando estava na escola, mas sempre adorou as aulas de redação. O sonho de escrever um livro surgiu bem cedo e demorou muito tempo para ser colocado em prática. Ela trabalhou durante quinze anos em um banco, depois decidiu ser mãe em tempo integral, e somente após mais alguns anos conseguiu se dedicar ao trabalho de escritora. Minta que me ama é o seu primeiro romance. Maria vive em Dublin com o marido e quatro filhos.







Sinopse:
O inverno é a estação mais aconchegante do ano, mas Jenny Breslin não se sente nada confortável. Tudo na sua vida - a total ausência de romance, o emprego chatíssimo no banco - foi tocado pela mágica das festas de fim de ano. A simples idéia de passar por mais um Natal com a sua mãe extravagante e Harry, o novo namorado dela, a enche de pavor. Mas isso é na vida real...
No Twitter, as coisas não poderiam estar mais interessantes. Nele, Jenny tem uma carreira em ascensão, uma vida amorosa sensacional e uma agenda superconcorrida.
Então, em uma noite de bebedeira, Jenny está tuitando com suas amigas Zahra, Fiona e Kerry. E, de repente, ela as convida para passar alguns dias na sua casa em Dublin. À medida que a sua vida virtual entra em rota de colisão com a sua verdadeira rotina, Jenny não sabe para onde correr. Tudo parece contribuir para mostrar que a existência das suas companheiras de Twitter é um milhão de vezes mais interessante do que a sua.
O fim de semana chega, e segredos são compartilhados. Jenny começa a perceber que, enquanto ela sonhava, as coisas aconteceram bem depressa.
Será que é muito tarde para que ela volte a assumir o controle da sua própria - e verdadeira - vida?

Resenha:
Comecei esta leitura totalmente despretenciosa e sem nenhuma expectativa (o que talvez, seja o melhor a ser feito com qualquer leitura pois as expectativas criadas em torno de uma história e seus personagens, sempre baseadas em opiniões alheias que simplesmente exprimem a sensação que cada leitor teve ao ler e acompanhar uma história, normalmente são diversas em cada leitura, muitas vezes, se relermos um livro, percebemos que não temos a mesma opinião em todo momento), não li a sinopse nem a orelha do livro antes, simplesmes abri na primeira página e iniciei... e isso me proporcionou uma experiência incrível!

É um livro com tema atual (twitter, vício em internet e vida dupla) e muito cativante. A personagem principal, Jenny, é completamente viciada em Twitter, cria uma "personagem" que tem uma vida com a qual ela sonha. Ela considera que tem uma vida desinteressante (sem namorado, com um emprego nada atrativo, uma chefe autoritária e amarga, com uma relação distante com sua mãe), totalmente sem graça e fica encantada com as histórias que suas amigas virtuais contam e, como é a tendência natural do ser humano, acha que "a grama do vizinho é mais verde". Então ela opta por alterar alguns fatos de sua vida real e tornar assim sua conversa mais interessante.

Então, num rompante causado por uma noite em que ela está curtindo sua vidinha pacata e tomando vinho, ela convida essas amigas para a visitarem e se hospedarem em sua casa, sem ao mínimo pensar nas consequências que esse convite pode causar. A partir deste momento, a vida de Jenny toma um rumo totalmente diferente, as amigas vem visitá-las e as surpresas começam.

Este livro me fez pesar muitas emoções, sensações e impressões da minha vida real (não que eu tenha outra, no Twitter ou em qualquer outra rede social) e refletir sobre se realmente as coisas são tão ruins quanto se apresentam, se o que vemos postado na mídia virtual é realmente a vida das pessoas, se faz sentido inverjarmos qualquer outra existência que aparentemente seja mais estimulante do que a vida que temos. Junto com Jenny comecei a perceber que precisamos sim valorizar muito mais o que temos, as pessoas que nos cercam, e começar a perceber o próximo como seres humanos que são, propensos a errar e a esconder seu sofrimento atrás de grosseria, de amargura ou até mesmo de seus sorrisos, forçados às vezes para nos fazer sentir melhor.

Foi uma leitura leve, fluída, rápida (só não terminei em um dia por real falta de tempo, vontade para isso não faltou, heheheh) e mereceu as quatro estrelas que dei no Skoob (esclarecendo que só dou 5 estrelas para livros favoritos).

Merece a leitura e com certeza entra no "hall" de livros a serem lidos para curar as temíveis ressacas literárias. Por hoje é isso... espero que tenham gostado e em breve nos falamos mais... beijinhos!









Nenhum comentário: